A importância do Marketing Jurídico

O assunto a ser abordado neste texto, trás a reflexão da necessidade do setor jurídico, em especifico à advocacia, em atentar-se a necessidade de adequação ao mercado atuante. O tema “A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO AOS PROFISSIONAIS DA ADVOCACIA” foi tratado no Encontro Toledo de Iniciação Científica “Prof. Dr. Sebastião Jorge Chammé” - Etic 2017, do Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo, de Presidente Prudente/SP. 
A gênese deste texto deve-se a observação do crescente mercado jurídico, devido à expansão dos números de alunos no curso de direito. 

O Brasil, segundo o senso INEP do ano de 2015, possui 896 faculdades, entre públicas e privadas, que ofertam o curso de Direito, onde se encontram matriculados 8.027.297 (oito milhões, vinte e sete mil e duzentos e noventa e sete) alunos. 

Segundo dados apresentados pela Ordem dos Advogados do Brasil, em seu site institucional, o país possui 1.034,135 (um milhão, cento e trinta e quatro mil, cento e trinta e cinco) advogados regularmente inscritos e em atuação.
Nesse sentido, Bertozzi (2004, p. 13) afirmou haver uma preocupação com uma possível ociosidade no setor jurídico devido ao crescente número de advogado, onde compara a uma semelhante situação ocorrido nos anos 90 na Espanha, onde 30% dos médicos ficaram ociosos, sem campo para trabalho.
O desenvolvimento de metodologias ativas de marketing jurídico, seja na grade curricular do curso de direito, seja para profissionais que já atuam na área, torna-se necessário em vista da mudança do comportamento do mercado de procura e oferta, devendo destacar que essa mudança afeta diretamente a compreensão de funcionamento do mercado, bem como a necessidade de fortalecimento de marca.
Tais conhecimentos derivam dos métodos e conhecimentos adquiridos através do estudo de marketing.
O mercado jurídico é influenciado pelo comportamento do consumidor, sendo certo que este busca por um profissional da área jurídica através de indicações, que resultam de uma reputação no mercado, e não apenas escolhendo a dedo, alguém desconhecido.
Cumpre mencionar que, respeitadas as normas vigentes no Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil (Lei 8.906/1994) e o Estatuto da Advocacia, não significa que não se possa utilizar o marketing jurídico, e sim a demasiada e descontrolada propaganda, sendo o marketing a divulgação, os métodos para melhorar o empoderamento de um escritório, conhecer seu mercado ou clientes e fortalecer a marca.
Ensinar o profissional atuante e o aluno de direito sobre o marketing jurídico é diferencia-lo dos profissionais fadados ao comodismo jurídico.

Voltar